quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Filmes

Há filmes que nos prendem logo no início. Começam por captar a nossa atenção com pequenos pormenores: uma música, uma paisagem, um local conhecido, um crime, uma cena escaldante. Começam logo da melhor maneira, e depois... Depois seguem as nossas expectativas, havendo alturas em que ficamos mesmo de boca aberta com o desenrolar da história. Acontece sempre algo inesperado, algo que nos deixa constantemente na dúvida, que nos põe a pensar "e agora?"
Normalmente, esses filmes que nos prendem, contêm um enredo bastante complexo. Cenas que não são sequenciais, pormenores que nos baralham, que nos põem confusos. O tempo anda para trás e para a frente, às vezes fazemos rewind para perceber afinal o que aconteceu.
E, quando menos esperamos, acontece aquela cena, aquele clímax: descobre-se o assassino, o casal percebe que se ama, o protagonista morre.
O filme acaba, e nos minutos seguintes ficamos a falar sobre ele, comentamos, rimos, e percebemos porque é que nos marcou tanto. Tal e qual como o sexo.


5 comentários:

Fogo disse...

E que filme era esse... boa analogia.

Vulcano disse...

Grande filme...

Nem mais!

Beijos

Litus disse...

O que mais seduz é de facto o momento inesperado.
Aquele instante de surpresa, que oferece no modo certo, as palavras certas na insinuação do mistério, convidando a mais secreta fantasia de íntimos e guardados desejos, a apoderar-se de nós!
E estremecemos e borbulhamos...

Anónimo disse...

NAO ANDAS COM MAIS PRAZER NA VIDA CONFIDENTE???

Rei doce disse...

Decerto que esta cavalgada, te deixou louka de tesão, volta mais aqui..Bjks